20 agosto 2013

Damned Blood - capitulo 1 + Happy Birthday Demi!

Seattle, dias atuais.
-Por que eu tenho que usar essa roupa ridícula? – perguntei para minha mãe quando ela me entregou, por fim, um buquê de rosas para segurar durante a cerimônia de casamento da irmã dela. Eu seria a dama de honra e agora ela estava realizando o sonho de me tornar a boneca que não teve quando era criança.
- Eu não me importo de deixar você usar suas roupas largadas na escola, ou até mesmo na rua, mas o casamento da Sabrine é muito importante pra mim. E você não vai estragar esse dia! – seu tom foi firme, mas assim que ela se virou para ver se todos já estavam sentados eu revirei os olhos e mostrei a língua.

Não me levem à mal, mas vaidade nunca foi comigo, se a roupa me serve e se é confortável já é ótimo, quanto ao resto eu acho completo superficialismo. E dou graças a Deus por ter herdado os dotes físicos de minha mãe como os olhos azuis e o cabelo negro ondulado. Porém a franja esconde os olhos, minha pele é quase tão branca quanto papel e sou magra na mesma proporção, então já deu pra deduzir que eu não tenho muitos amigos. Só que eu não penso muito nisso e meus melhores amigos: Mike e Jennifer já são o suficiente pra mim.
- Ammy! – minha mãe me chamou – vou ver se Sabrine já chegou. Não entre até eu voltar. – eu assenti e ela saiu.

Fiquei esperando por uns quinze minutos, olhando para os convidados que me viam sem maquiagem alguma na cara ou aquela postura que sempre esperam de uma dama de honra perfeita e me encaravam como se eu fosse alguma aberração ou penetra da festa. Outras pessoas especulavam sobre o atraso exagerado da noiva, e talvez cochichavam sobre o que eu também pensava, que talvez ela tivesse desistido de se casar. Minha tia já estava quase duas horas atrasada e tínhamos recebido recentemente um telefonema dizendo que ela já estava a caminho, mas até agora nada.
 Eu estava na porta do grande salão da igreja, esperando apenas minha tia aparecer para entrar e distribuir tipicamente as pétalas de rosas por onde passava com aquele sorrisinho forçado.
Suspirei frustrada mais uma vez e olhei no relógio de pulso. Quase meia hora que minha mãe havia saído. Resolvi ver aonde ela se meteu, porque eu não tenho mesmo o costume de esperar sentada pelas coisas, se é pra acontecer essa droga de casamento que seja logo. Não fazia idéia de como era a cara do meu futuro tio, essa seria a primeira vez que eu o veria, mas não me importava muito com isso.
Caminhei até a entrada, deixando meu buquê com uma mulher no caminho e vi minha mãe aparentemente aflita ao telefone, na verdade, quase chorando. Aproximei-me dela que me encarou um pouco desapontada.
- Ammy, eu disse pra você me esperar lá dentro. O que faz aqui?
- A senhora não voltou, o que aconteceu?
Minha mãe me encarou do jeito que ela sempre faz quando vai dar uma notícia ruim, engolia seco e estreitava os olhos para não deixar as lágrimas escaparem. E eu comecei a me preocupar.
- Ela não vem!
- O que? Como assim não vem? Ela está bem?
- Não... – sua voz falhou antes que ela terminasse a frase – Ela sofreu um acidente!
- E o que estamos fazendo aqui? Por que não vamos pra lá?
Nessa hora uma mulher chegou apressada, chamando por minha mãe.
- Vamos, o carro está pronto!
- Tudo bem! – disse Marry, minha mãe – Ammy você vai pra casa com a tia Celi e eu vou pro hospital. – e então beijou rapidamente minha testa – eu te amo!
- Nem pensar. – protestei – está esquecendo que ela é minha tia também. Eu vou junto!

As duas mulheres se entreolharam e, vinte e cinco minutos depois estávamos todas no hospital procurando por alguém que tivesse notícias de minha tia Sabrine. Marry conversou rapidamente com umas três pessoas até finalmente sabermos que os ferimentos dela foram superficiais e que ela ficaria bem.
Horas depois eu ainda estava ao lado de minha mãe na sala de espera. Minha avó viúva, Betsy, nos encontrou o mais rápido que pode assim que soube do ocorrido.
- Que coisa – começou minha avó que estava bastante assustada até então – no dia do casamento dela um louco que se diz motorista bebe mais do que devia e bate o carro em uma árvore! – e balançou a cabeça – Coitadinha da minha menina!

Eu apenas assistia a cena sem dizer nada, pois não falava muito com minha avó. Ela era do tipo que encara a realidade de uma forma severa, nunca podemos mudar o que ela pensa, mas ela sempre se vê no direito de fazer isso conosco. Como o fato de ela ser completamente contra a esse casamento, diz que meu futuro tio não é uma boa pessoa. Então acho que ela não está de todo triste com esse acidente.
- Meninas, melhor vocês irem para casa, Já passam das dez e vocês devem estar cansadas!
- Não! – Marry se manifestou – Ela é minha irmã!
- Marry, a Ammy tem aula amanhã cedo e eu vou ligar pra dar notícias.
- Você promete?
- Ela vai ficar bem e vai ter alta amanhã de manhã, eu vou levá-la pra casa e tudo dará certo!

Minha mãe respirou fundo, aceitando os fatos e iniciou sua caminhada na direção do estacionamento, eu ia mais atrás, mas minha avó me puxou para um canto e o objetivo disso eu ainda não sabia, e a coisa ficou ainda mais sinistra quando ela começou a sussurrar:
- Meu anjo, nós tivemos sorte hoje por sua tia não ter morrido. Não posso contar-lhe o que aconteceu por enquanto, mas sei que em breve as coisas não serão mais tão simples. Por favor, leve este escapulário com você e não ouse desgrudar-se dele!
Ela me entregou um objeto bastante semelhante a um colar, porém era algo mais religioso. Era feito de prata e estendiam-se safiras por todo o cordão. Fiquei encantada com o presente, apesar de não ser muito amiga de jóias, mas não sorri, o clima da situação impedia isso.
- Obrigada, vovó, mas... Por quê?
- Ele vai proteger você do monstro que é esse homem. Sabia que sua tia não devia se envolver com ele!
- Espera um pouco, a senhora não acha que... Meu futuro tio provocou esse acidente, acha?
- Não acho, tenho certeza.
Ela parecia respirar com dificuldade.
- Mesmo que eu acredite na senhora, como um colar vai me proteger de um possível maníaco? E por que ele viria atrás de mim?
- Menina, você faz perguntas demais. Apenas confie em sua avó. – eu revirei os olhos e pus o escapulário no pequeno bolso do vestido – Não, nada disso. Ponha o colar no pescoço. Ande, me dê! – ela ordenou e eu obedeci, me virei e ela o pôs em meu pescoço, causando certo arrepio pelo contado com o objeto gélido – Agora vá, sua mãe a espera!

Minha avó tem o costume de contar histórias de terror para crianças e até hoje eu a ouço porque sei que não são reais e a admiro por ter tamanha criatividade, mas essa noite ela se superou na interpretação. Nunca a vi com tanto medo nos olhos.
Caminhei até o estacionamento e vi minha mãe com o motor do carro já ligado, sentada no banco do motorista, apenas me esperando. Sentei-me no banco do carona e pus o cinto. Silêncio completo. Não nos encarávamos e eu sentia certo desconforto com essa situação.
Minha mãe não se dava muito bem com minha avó por ela me incentivar a continuar do meu jeito, largada e irresponsável, e como somos de uma família rica isso não é muito bom para a imagem dos negócios. Mas Marry subestima minha capacidade.
Agora ela só está fazendo um pequeno voto de silêncio perante aos últimos acontecimentos: ela deu duro em um casamento que acabou em tragédia.
- Mãe, eu sinto muito. – sussurrei.

Ela não disse nada, não era mesmo do feitio de minha mãe. Dirigiu até em casa e foi dormir.




Oi, pessoal, eu fiz de tudo pra vir na lan house hoje só pra fazer uma dedicatória, nem que seja mínima nesse dia pra uma das pessoas que mais me inspiram que é essa diva. Não, infelizmente ainda não ganhei meu notebook, mas pus alguns capítulos no rascunho na casa do meu pai só pra poder vir de vez em quando e postar. Enfim, hoje o dia é da Demi e... O que eu posso dizer de uma pessoa que é tão linda, honesta, sincera, inspiradora, generosa, guerreira e... Não tenho palavras. Sou lovatic há seis anos e a cada dia me torno mais ainda, nas músicas, nas letras, na vida... Feliz aniversário, minha pequena linda! Eu e todos esses humildes fãs te desejamos muita paz, muita saúde, muita felicidade e que Deus te abençoe muito porque você merece.
Eu coloquei um espacinho aqui no blog para as duas únicas afiliadas que nunca me retiraram de sua elite, que são a Rebeca e a Amanda. Obrigada meninas! Beijos
Respostas

11 comentários:

  1. Heyy!
    Curicençaa que eu to passanu!
    Me senti agora! kk
    Amei esse primeiro capítulo!Deu uma quebrada no medo que o prólogo deixou kk
    O futuro tio da Amy tem alguma coisa a ver com aqueles carinha lá,né?? (Isso se ele não for um deles)
    Hum...acho que amei!! kkk
    Nem dá pra acreditar que a Demi já tem 21 anos !
    Me emocionei aqui.
    Posta logo amore o/
    Beijos linda :* :* :*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkkkk fica a vontade!
      pois é, mas as coisas vão tornar a ficar sinistras no capítulo 3! ;)
      você vai ver se é ou não!kkkkk
      obrigada, flor!*-*
      pois é, passou muito rápido! :o
      postado, bjks

      Excluir
  2. Oiii to amando a história, visita meu blog ? http://jemisexysublimeparasempre.blogspot.com.br/
    visita, segue lá ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. já fui lá, linda!
      beijos

      Excluir
  3. Oi minha flor do cerrado mais linda do mundo u.u ~pode se achar~
    Que isso,minha joven que super perfeito e essa ??? Tá arrasado geral u.u
    Ammy deve ser um doce de pessoa !
    Postaaa logoo
    Beijos u.u
    Aniversário da demi u.u

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. oowwwnnnt *-*
      kkkk obrigada, flor, faço o melhor que posso!
      mais ou menos! kkkkkk
      mas é sim uma boa pessoa!
      postado!
      beijosss
      uhuuuuuuu kkkkk

      Excluir
  4. Heey ... Amei o cap ! Lindoo . Estava com saudades ! Mts ! Bjss

    possta assim que der

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. oi, Juh, que saudades, linda! :D
      obridada!*-*
      beijos

      Excluir
  5. Hoooy minha gatenha!
    Já tinha lido ontem mas tava sem tempo pra comentar :-P
    Meeeu, que perfeito!
    Sério, você escreve muito bem, Damned Blood tem continuação??
    Tipo, quando vc falou que a tia dela sofreu um acidente, slá, eu pensei que ela tinha morrido =\
    Já tô atè com medo de pensar como é o tio da Ammy...
    Ele é um vampiro, slá?
    Pooosta loogo!
    Beeijos <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. oiieeeee
      kkkk
      obrigada, linda!
      kkkkk ainda não sei, nem chegamos na metade, mas vamos ver! kkkkk
      é a primeira coisa que se passa pela cabeça da gente mesmo, mas a tia Sabrine ainda vai ter uma boa participação na história ainda! ;)
      você vai descobrir logo! kkkk
      postado!
      beijoss

      Excluir
  6. Como assim??
    Você voltou com o blog??
    Por que apagou os outros posts??
    Okay, vou parar de fazer tantas perguntas.
    Mas... estou confusa!
    Beijos!

    ResponderExcluir